As redes sociais são hoje utilizadas pela esmagadora maioria dos internautas. Existem variados tipos e servem todo o género de propósitos, desde o mero entretenimento, passando pela comunicação, até ao estabelecimento de contactos profissionais. Nomes como Facebook, Twitter e LinkedIn fazem parte do vocabulário quotidiano do cidadão, que chega a passar várias horas por dia ligado a estes serviços da Internet.

O conhecido adágio “informação é poder” nunca foi tão verdadeiro como na Era Digital. O volume de informação de que as redes sociais dispõem sobre os seus utilizadores é gigantesco. Pode assumir a forma de fotografias, vídeos e textos, bem como informação de relacionamentos entre utilizadores e dados que os identificam. Quase sempre, este manancial de informação é fornecido pelos próprios utilizadores, voluntariamente. Aliás, essa “partilha” é encorajada pelas regras das redes sociais e alimentada pelos seus utilizadores, ávidos de mais informação.

Sendo a Internet um meio que nos liga de forma global como nunca antes na História foi possível, os cuidados com a privacidade, direitos de imagem e outras precauções assumem importância crucial. É bom que os utilizadores de redes sociais tenham consciência dos riscos que correm ao divulgarem demasiada informação sobre si próprios. Estes riscos incluem exposição a roubo de identidade, chantagem ou extorsão; perda de direitos sobre os conteúdos partilhados; e, em casos extremos, riscos de perseguição ou agressão física.

A proteção contra estes perigos passa, essencialmente, por ser o mais criterioso possível na divulgação de dados pessoais. Qualquer informação que identifica a pessoa (morada, local de trabalho, escola ou contacto) deve ser restrita ao menor número de utilizadores. É importante lembrar que, na Internet, qualquer informação publicada, provavelmente, ficará para sempre disponível. Isto é tanto mais certo quanto mais “interessante” for o conteúdo. Igualmente importante é conhecer as condições que se aceitam ao entrar numa Rede Social, as quais muitas vezes incluem perda de direitos sobre conteúdos submetidos. Sobretudo, a educação das crianças e jovens para o conhecimento dos perigos e formas de proteção é absolutamente fundamental, quer pela exposição acrescida da sua faixa etária às Redes Sociais, quer pela vulnerabilidade da sua condição.

 

 

CERT.PT – Centro Nacional de Cibersegurança – Portugal